Com www ou sem www? Eis a questão

Foi numa visita aos Açores que descobri a diferença entre as boas e as más indicações de percursos na estrada.

Era o segundo dia de descoberta da ilha de São Miguel, o primeiro fora de Ponta Delgada.

Conduzia um carro alugado, sem GPS, por um caminho que percebi não me levaria ao lugar pretendido. Passando por uma minúsculo aldeia, com duas ou três casas de cada lado da estrada, aproveitei a presença de dois açorianos idosos a conversar na berma para pedir indicações.

Ambos tinham um forte sotaque e a minha tentativa de encontrar uma solução estava a revelar-se um fracasso. O primeiro dos homens achou por bem presentear-me com dois percursos diferentes, como se um não fosse já suficientemente confuso para quem não conhecia a ilha. Valeu que o seu voluntarismo e simpatia foi ultrapassado por muito eficiente trajecto recomendado pelo outro homem.

Cerca de 20 minutos depois já estava no destino. Percebi que qualquer dos caminhos indicados me levaria ao lugar. A diferença entre eles era coisa de detalhes.

Acontece o mesmo a quem prefere ter ou não o “www” no endereço do respectivo site. Uma opção é melhor que a outra? É igual? Podem usar-se as duas?

São dúvidas legítimas.

Para um site não há qualquer diferença entre uma e outra forma, nem sequer há um sotaque mais ou menos acentuado. Portanto, escolher entre começar o endereço com “www” ou sem “www” é apenas uma questão de detalhes. Porque se tudo estiver bem configurado, escrever “www” ou não vai dar ao mesmo local. Sem que o visitante se perca.

Sejamos rigorosos. Há pequenas diferenças técnicas mas são irrelevantes para a maioria dos casos.

E para os motores de busca?

Para os motores de busca é também indiferente. Não estão preocupados se a sua escolha recaiu numa ou noutra opção. Também aqui é uma questão de preferência. Mas há alguns aspectos fundamentais a ter em consideração. Porque há a tal coisa da configuração de que falamos atrás.

O que é importante é manter a consistência ao longo da existência do site. Por isso, a escolha inicial deve manter-se inalterada. Se decidiu escolher ter o “www” fique sempre com ele. O contrário também é verdade.

Adicionar propriedade

É fundamental que faça saber junto dos motores de busca, em particular o Google, o mais importante de todos, qual a sua fórmula preferida. É algo que tem de fazer no Google Search Console (ex-Webmaster Tools).

É um processo simples mesmo para quem não tem conhecimentos técnicos mas que isso não faça com que encare este ponto de ânimo leve ou o deixe ficar para depois.

É determinante que defina como padrão o endereço que escolheu, com ou sem o “www”. Caso contrário o [Google] vai interpretar o site como tendo “conteúdo duplicado” e penaliza-lo nas pesquisas que os utilizadores fazem no motor de busca.
E por penalizar queremos dizer que vai atirar o seu site para o fim da lista. E isso não é bom.

Quanto mais depressa tratar deste assunto, melhor.

Aceda com a sua conta Google e registe o seu website. Comece pelo botão “Adicione uma propriedade” e insira o endereço preferido. Vamos supor que escolheu não usar o “www” no início.

Insira o endereço http://enderecodosite.com

Tem de confirmar a propriedade do site, usando um dos vários métodos que o Google recomenda, num processo simples. Por exemplo, colocando na raiz do seu site o ficheiro html recomendado.

Agora repita o processo mas usando o “www”. Vá a “Adicione uma propriedade” e insira o endereço secundário: http://www.enderecodosite.com.

Confirme a propriedade. Não tarda nada estará a cair na sua caixa do correio um email da Google sugerindo os próximos passos. Um deles é definir qual o endereço padrão. Faça a sua escolha em definitivo e relaxe.

Descanse que só tem de fazer isto uma vez.

 

Texto de José Freitas publicado originalmente no blog da VIRGU


Registo de domínios e alojamento web: Virgu Pages – Alojamos grandes ideias